Rapazoi
Rapazoi

Aprovado projeto que classifica o diabetes mellitus tipo 1 como deficiência



A partir de agora, a proposta passará por outras comissões até se tornar lei. Brasil tem 16,8 milhões de pessoas com diabetes, sendo que 588 mil são do tipo 1
 

O PL 2687/2022, de autoria do deputado dr. Zacharias Calil (União-GO) e da deputada Flávia Morais (PDT-GO), que classifica o diabetes mellitus tipo 1 (DM1) como deficiência para todos os efeitos legais, foi deliberado na reunião da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência.
 

O parecer do relator Sargento Portugal (Pode-RJ), pela aprovação da matéria, com emenda, foi aprovado na CPD. A alteração proposta pelo relator refere-se aos critérios de avaliação da deficiência dispostos no Estatuto da Pessoa com Deficiência, sendo que o Poder Executivo criará instrumentos para avaliação da deficiência.

A matéria, agora, segue para deliberação na Comissão de Saúde. Após deliberação nas comissões de mérito, a matéria vai para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), sujeita à apreciação conclusiva pelas comissões.
 

A Sociedade Brasileira de Diabetes apoiou, desde o início, a aprovação deste PL, pois considerar o DM1 como deficiência representará o maior avanço dos últimos tempos pelo seu viés ‘global’, onde as pessoas com diabetes tipo 1 não passarão mais a ser atendidas apenas nos grandes centros, e sim em todos os locais do país, proporcionando oportunidades iguais, melhorando, inclusive, o atendimento nas escolas; o tratamento para que as insulinas sejam fornecidas para aqueles que delas necessitem, bem como a monitorização da glicemia. Assim, este paciente poderá ser atendido com qualidade e quantidades suficientes de tiras de glicemia, obtendo todos os insumos necessários para seu tratamento.
 

O DM1 normalmente é detectado na infância, pois trata-se de uma deficiência metabólica, ou seja, o pâncreas não produz o hormônio chamado insulina, responsável por manter o controle de açúcar no sangue. “O tratamento do diabetes tipo 1 envolve o uso de insulina por meio de aplicações diárias e o monitoramento frequente da glicemia, o que traz impactos na rotina de quem teve o diagnóstico e da família, além das mudanças no convívio social e âmbito escolar”, explica o presidente da SBD, dr Levimar Araújo.
 

No Brasil há 16,8 milhões de pessoas com diabetes, sendo que 588 mil são do tipo 1.
 

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem